Palmito Pupunha Tolete 300g Hemmer

Ingredientes

Palmito pupunha tolete, água, sal e acidulante ácido cítrico. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Após aberto, manter sob refrigeração e consumir em até 3 dias.



Nas saladas é que o palmito encontra sua maior utilização. Na forma de toletes cortados em meios ou em quartos, fatiados ou mesmo picados, enobrece os pratos. Adequado para cobertura de pizzas, é ingrediente também de recheio de empadas, empadões, pastéis, tortas frias e sopas.

Informações Nutricionais
Porção de 50g (1/4 xícara de chá)

  Quantidade por porção % VD (*)
Valor energético 13 kcal = 55 kJ 1%
Carboidratos 1,9 g 1%
Proteínas 1,4 g 2%
Sódio 375 mg 16%

"Não contém quantidade significativa de gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e fibra alimentar".

* % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8400 kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. ** Valores diários não estabelecidos.

O palmito tem alto valor nutritivo e poucas calorias, fibras e ainda contém cálcio, magnésio, fósforo e vitamina C além de boa quantidade de potássio.

Código do Produto: 11009
Código de Barras EAN-13: 7891031110096
Validade: 24 meses, a partir da data de fabricação desde que mantido em condições normais de estocagem. 
Embalagem: Vidro.
Quantidade em Caixa: 15 unidades.
Código de Barras DUN-14: 17891031110093
Peso Líquido: 530 g
Peso Drenado: 300 g
Peso Bruto: 840 g
Após aberto: Manter sob-refrigeração (2° a 7°C) e consumir em até 5 dias.

A pupunheira vem sendo explorada com sucesso, pois se adapta com facilidades às mais diversas condições climáticas. As condições ambientais ideais encontram-se nos climas quentes e úmidos, com temperatura média acima de 22° C e abundância de chuvas (acima de 2.000 mm anuais), bem distribuídas ao longo do ano. Para desenvolver-se bem, a planta exige solos bem drenados, de fertilidade de média a alta, pH próximo ao neutro (7,0) e com textura média ou leve. Apesar de a pupunheira necessitar de muita água, não tolera solos encharcados, que limita o seu cultivo.

Nos solos ácidos e de baixa fertilidade, desde que devidamente corrigidos e adubados, a pupunheira apresenta bom crescimento. O manuseio do palmito requer cuidados desde o transporte,por sua consistência extremamente sensível. O intervalo entre a colheita e o processamento industrial deve ser o menor possível. Logo ao chegar à fabrica o palmito e submetido as desembainha mento de suas camadas exteriores ate deixar a mostra o miolo.

Após esta operação é levado para o corte, em forma de toletes, com gabarito para obter tamanho uniforme. O passo seguinte é a imersão dos toletes em uma salmoura de espera, com acido cítrico. Com ela é embalado em potes de vidros. Daí vão para autoclaves,passando por um processo de adequação da textura e esterilização. O produto então esta pronto para o consumo, passando as embalagens por uma inspeção final e rotulagem.

Desde o evento mundial denominado "RIO 92", quando os países participantes foram signatários de um acordo no sentido de que a partir do ano 2000, a importação e/ou exportação do palmito a ser consumido deverá ser proveniente de florestas plantadas e não simplesmente extraído da mata nativa, o Brasil começou a estudar a viabilidade do plantio do palmito pupunha.

Através de pesquisas ficou comprovado que o solo argilo-arenoso, clima quente e chuvas freqüentes, são requisitos ideais e correspondem as condições da região do Vale do Ribeira.

Uma variedade do palmito que ao ser cultivada tem garantido o selo de qualidade de origem, uma espécie de passaporte que assegura a sua livre comercialização.

No ano de 1993 aconteceu um dos primeiros encontros regionais para discutir a viabilidade, de se plantar com finalidade econômica espécies de palmito. Dentre as quais, foi apresentada a espécie pupunha, cuja origem é a Floresta Amazônica, e a variedade utilizada (sem espinhos) provém da Amazônia peruana.


Fique por dentro das novidades